Por: Claudia Sartori

Rota Fortaleza-Jericoacoara: escolha a sua

#A ida

Hoje, quem pretende visitar Jericoacoara, tem o conforto de ir de avião até o Aeroporto Regional Comandante Ariston Pessoa, localizado no município de Cruz.

A partir daí, o acesso a Jeri, como é carinhosamente chamada, se dá por estrada de terra. Pode-se optar por transfer 4×4 ou as famosas jardineiras, por um trajeto de 20 Km.
Infelizmente, os voos são bastante escassos e bem mais caros, comparados aos voos que chegam e saem de Fortaleza.

Para nós, que tínhamos data pré-fixada de ida e volta, decidimos pegar um voo para a capital do Ceará mesmo.
Depois de ter conseguido uma excelente promoção de um voo Guarulhos-Fortaleza, começamos a nos preocupar em como chegar de Fortaleza a Jericoacoara.
O aeroporto Internacional Pinto Martins em Fortaleza está a uma distância de 310 Km de Jeri e para se chegar a cidade, existem quatro meios de transporte.

Logo: Me abraça que tô em Jeri

O primeiro e mais sofisticado, e digamos, com certeza o mais caro, é ir de helicóptero. A duração do voo é de 50 minutinhos e a vista da paisagem é única, mas o preço é também “unicamente” salgado. Chegam a pedir até R$12.000,00 por trecho ou ida e volta no mesmo dia.
Ainda seguindo as opções aéreas, a empresa chamada North Star Taxi Aéreo e Fortaleza Beaches, disponibilizam um avião Bi-motor Seneca para quatro passageiros por R$6.000,00 por trecho ou ida e volta no mesmo dia. Mas, somente o helicóptero pousa em Jericoacoara, o avião pousa no Aeroporto de Cruz e depois disso, há necessidade de transfer até Jeri.

A segunda opção e a mais sofrida, porém a mais em conta, é ir de ônibus. Quem faz esse trajeto é a Empresa Fretcar e a duração é em média de 7/8 horas. Além disso, ele para em Jijoca, onde todos desembarcam e pegam a Jardineira, que é o famoso pau de arara; um caminhão com a carroceria adaptada com assentos, para lá, de desconfortáveis.
É um percurso de 20km, feito sofrivelmente em uma hora; e benza Deus, se você chegar inteiro…;D
O valor do ônibus é de R$ 70,00 a R$80,00, com a jardineira inclusa.

 

A terceira opção é alugar um carro, mas conte apenas com a sinalização na parte do asfalto, ou seja, dos 310Km de percurso, 280Km tem asfalto, mas adentra em algumas cidadelas que são verdadeiros labirintos, mas como o povo é bastante simples e hospitaleiro, acabam ajudando a chegar na estrada novamente.
Pode-se chegar até a Cidade de Jijoca ou de Preá, as duas tem praticamente a mesma distância de Jeri, e a partir daí, iniciará a estrada de terra, que realmente não possui nenhum tipo de sinalização, além de ter várias bifurcações direcionando para outros destinos.

Mas, se mesmo assim, você é desbravador, é aconselhável pegar um guia em uma das duas cidades. Esse vai de moto, a sua frente, ensinando o trajeto até Jeri.
A principal dica para quem quer alugar um carro é pegar um com tração nas quatro rodas, para suportar as estradas de areia.
Chegando em Jeri, você não poderá entrar na cidade com o automóvel. O carro é deixado em um pátio a céu aberto na entrada da cidade e o transfer (jardineira) do estacionamento leva e busca no hotel.

E a quarta opção, que para nós foi a melhor, é o aluguel de um transfer 4×4, privativo, com motorista. O valor de ida e volta é de R$1.000,00, mas posso garantir, que você chega inteiro e bem mais rápido. escolhemos a empresa Jeri Prime, que nos atendeu com muito profissionalismo, pontualidade e atenção.

O percurso dura em média de 4 horas com duas paradas para refeição e banheiro. Os carros são muito confortáveis e bancos traseiros reclináveis, podendo dormir na maior parte do trajeto, que por sinal, é bem bonito, com muita plantação de carnaúba e murici. Aliás, não deixe de provar o suco ou sorvete dessa fruta, é deliciosa.

Dicas: Passando pela cidadezinha de Itarema, você pode parar para tomar um café e comer um explosivo cuscuz de carne de sol e queijo coalho, o “gostosão” e depois mais adiante, já na estrada, tirar uma foto perto dos Moinhos de vento, que utilizam a energia eólica para se locomover.

O “gostosão” é feio, mas muito gostoso…rs
Somente estando perto, para saber o tamanho real desses moinhos.

Antes de entrar na estrada de areia, é necessário esvaziar um pouco os pneus, para aguentar o areão fofo e várias lombadas e desvios.

Vale lembrar também, que pessoas entre 12 a 60 anos pagam R$5,00 de taxa de turismo por dia, para permanecer dentro da cidade.

#A volta

Em relação ao retorno, pode-se optar em fazer o mesmo percurso de volta a Fortaleza, ou simplesmente optar, por R$400,00 a mais, ir via praia.
Esse percurso dura em média 7 horas e o tranfer percorre mais de 100 Km dentro de praias desertas e lindíssimas.


Vira uma grande aventura, já que o percurso é todo a beira mar com praias incrivelmente vazias, água de um azul infinito e céu sempre ensolarado.
O trajeto começa em Acarai de Amontada (Acaraizinho), e nessa região, logo de inicio, deparamos com algo bastante inusitado e incomum, um cemitério a beira mar. Na realidade, dizem, que ninguém sabe como esse cemitério surgiu e quem são as pessoas enterradas por lá, pois, como falei, a praia é deserta e os lugarejos estão afastados desse ponto. Bom, pelo menos, não podemos negar que o cemitério tem uma vista e tanto…:P

Um dos pontos principais de parada é na Praia de Caetanos, onde seus coqueiros nos surpreendem com uma belíssima paisagem. Um verdadeiro convite para muitas poses.

Na Praia de Mandaú e Praia da Baleia, apesar da infraestrutura precaríssima, ora víamos alguns pescadores com suas embarcações de velas coloridas, dando um charme a mais ao local.


Antes de chegar a Flecheiras, não tem como não se encantar com o encontro do rio com o mar, cercado de gigantes moinhos de vento. A passagem pelo rio é através de uma balsinha, movida por um pequeno motor guiada por simpáticos nativos. O lado turístico da região começa a se evidenciar com belas pousadas e passeios turísticos de barco pelo rio e mar.

*Leia Também: Jericoacoara, lado oeste, o que fazer

Durante a travessia de balsa

O nosso 4×4, atravessou dunas e estradas de terra, para encontrar melhor ponto para visualizarmos essa bela paisagem, enquanto passávamos encostados nos moinhos, dando-nos um mix de adrenalina devido aos pequenos penhascos que descíamos e subíamos, mas também uma paz interior incrível mediante a tamanha beleza. Foi um ponto alto do passeio.

Encontro do rio com o mar

Pode-se optar em almoçar em Flecheiras, uma cidadezinha bem acolhedora, ou manter o ritmo pelas praias e fazer uma parada maior em Lagoinha.

Cidade de Flecheiras

Como escolhemos lagoinha, seguimos adiante e por sorte, em mais uma praia deserta de Guajirú, encontramos dois super 4×4 do quadro AdrenaLama Off-Road, do Programa show&Roda na Record tirando fotos para divulgação. O pessoal da produção foi super gentil e nos explicou que estavam atravessando todas as praias com destino a São Luis do Maranhão.


Lagoinha é pequena e bem parecida com Flecheiras, suas dunas se misturam com penhascos de terra, dando um colorido bem singular ao local.

Em Lagoinha


Paramos em uma infraestrutura montada para os turistas perto do mirante da cidade. É um local bastante rústico com várias cabaninhas de sapê, um bom restaurante, duchas e várias redes esparramadas pelo local. Na praia, pode-se escolher em alugar quadriciclos, stand-ups, ou passeio com o Pepeu, o famoso e carismático Jegue de Lagoinha. A praia é tão agradável, que ficamos quase duas horas nessa região.


O povo é bastante hospitaleiro e conversador, como esse simpaticíssimo senhor, seu Cosme, 85 anos: nasceu, cresceu e diz que não existe melhor lugar para morrer do que ao redor de tantas belezas naturais. Olhar para aquele homem tão simples e perceber o mirante que ele escolheu para sentar e saborear seu pequeno lanche nos dá a certeza que não se precisa de muito para ser feliz.

O simpático Seu Cosme pousando para as lentes do Vem, qu’eu te levo.

Em breve, traremos os melhores passeios e uma exclusiva sobre o Hotel do famosos em Jeri.

*Post relacionado:

Jericoacoara: lado leste, o que fazer

Jericoacoara: lado oeste, o que fazer

Assista também o vídeo: Jericoacoara, lado oeste, o que fazer

Gostou deste post? Gostaria de nos acompanhar nas redes sociais e ficar antenados nas principais dicas e viagens nacionais e internacionais. Siga a gente, no Facebook / Instagram / youtube
Compartilhe com os amigos nas redes sociais! Os botões estão logo abaixo do texto. Deixe também seu comentário.

Leia Também:

Bares de Gelo: entre nessa fria!

10 Hotéis Fazenda/Resorts tops para ir com crianças no feriado

Luxemburgo: a cidade medieval do século XXI

Passagens aéreas mais baratas: dicas surpreendentes

 

4 COMENTÁRIOS

    • Olá Lia, seja muito bem vinda. Você vai amar Jeri, é encantador. Estaremos, em breve, com novidades de passeios para os lados oeste e leste de jeri. Grande abraço.

  1. Claudia, boa noite! Em primeiro lugar quero parabenizá-la pelo site que é maravilhoso!!! Dicas excelentes! Estava procurando sobre Jeri e principalmente sobre a diferença do Essenz e Dune Essenza, nao estava entendendo como era, mas, graças a Deus eu encontrei o seu site.
    Agora estou com uma dúvida: eu vi que vocês ficaram no Dune Essenza certo? Mas a minha dúvida é: ficaram no quarto do primeiro andar ou no térreo?
    Quero me hospedar la nas minha ferias mês que vem.
    Aguardo seu retorno.
    Bjs e boas viagens!!!!

    • Obrigada Luciana. Que bom que já nos falamos pelo facebook, qq duvida a mais, não hesite em me perguntar. Depois nos conte sobre sua viagem e hospedagem. Um bjão

DEIXE UM COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui